Del.icio.us | Perfil | Contato

Carregando...

sexta-feira, fevereiro 01, 2008

Thin affiliates - Afiliados magros - O que são?

Depois de quase 1 ano sem postar no E-Opportunities, retomo o Blog com um assunto bem interessante do ponto de vista de marketing na internet. A realidade sobre os thin affiliates.

Após pesquisar páginas em português sobre o assunto, não pude encontrar nem um resultado satisfatório. A única menção em língua portuguesa sobre o assunto, se trata de um artigo traduzido por um mecanismo de tradução automática (ou um script em php, que pode ser scraper) entitulado
Googles secretos orientações sobre Thin Afiliados o que seria uma tradução robótica para Guia secreto do Google sobre Thin Affiliates.

Na verdade esse guia não tem nada de secreto, uma vez que o Google nunca escondeu, em seu Guia para Webmasters, os elementos que um site deve ou não apresentar para indexá-lo.

O que seria um Thin affiliate?

Um thin affiliate ou afiliado magro (fino) - assim como eu tomei a liberdade de chamá-los - se trata de um site, que não apresenta qualquer incorporação de valor ao anúncio e trata apenas de apresentá-lo. A partir desse baixo valor agregado ao anúncio o site tão só apresenta o anúncio visando auferir ganhos sem oferecer ao usuário qualquer elemento adicional ao conteúdo.

Apesar de pouco mencionada, essa técnica de spam é muito antiga. Ou seja, quando eu mencionava, brevemente a expressão afiliados finos no meu
post do Amazon, 1 ano atrás, vocês podem ter certeza de que essa técnica já era bem difundida dentre os webmasters rent-seekers (caçadores de renda). Ou seja, os são muito mais velhos do que você imagina.

Por quê eu mencionei esses thin affiliates no post do ?

Porque o amazon foi a primeira vítima dessa técnica.

Vou explicitar melhor o exemplo, para que possamos entender como funciona a mecânica dos thin affiliates.

O amazon, como visto anteriormente, inovou a forma de espalhar seus anúncios, uma vez que adotou o formato XML. Na medida em que ele apresentava o sistema xml de divulgação de produtos, vários scripts (em linguagem web) nasceram para serem alimentados por esse formato. Assim como os Feeds, os scripts apresentavam a galeria de produtos, de forma dinâmica, ou seja, sempre atualizada. Na medida em que um produto era retirado da venda, ou atualizado seu valor, as informações eram automaticamente atualizadas.

Assim, um script em php que conseguisse processar as informações do XML se alimentava dos anúncios e sempre fazia a disposição dos anúncios atualizados.

Bem, mas em que isso colaborou para o aumento dessa técnica de spam?

Na medida em que os anúncios eram gerados automaticamente, surgiram uma série de scripts de sites, que bastava ao webmaster colocar sua referencia, e organizar o layout da sua "lojinha virtual" e apenas esperar a indexação do seu site.

Ou seja, o webmaster não oferecia qualquer valor agregado ao anúncio, ele apenas tinha um site para os anúncios, ou seja, ele não fazia um site direcionado a um público, e que por sua vez teria como desdobramento uma receita. O fim do site era ganhar dinheiro. Então o webmaster, a partir desse mecanismo criava vários outros sites, os quais seriam atualizados automaticamente.

Uma vez feito o site thin affiliate e organizado, o webmaster tinha que conseguir auferir visitas. Agora eu lhe pergunto: Se eu tenho um site, que só oferece anúncios, como vou divulgá-lo? Logicamente que a resposta está ligada aos mecanismos de busca. Então geralmente atrelada a essa técnica, outras técnicas spammicas eram utilizadas, como o Keyword stuffing ou Hidden keywords. O webmaster ou bombardeava a página com palavras chaves, ou colocava o tamanho das palavras chaves bem reduzido e colocava a cor das palavras da mesma cor do fundo do layout do site.

Assim, o spider do mecanismo de busca indexava as palavras chaves, e trazia os tão necessários visitantes.

Na medida em que o Amazon, de forma inteligentíssima (para seus objetivos de se firmar como uma grande fonte de conteúdo) disponibilizou a possibilidade dos usuários fazerem Reviews sobre os produtos, dando informações preciosas e feedbacks sobre os produtos, os Thin affiliates deram um jeito de roubar esse conteúdo aliando a técnica ao Scrapping.

Como vocês devem imaginar, um site em inglês, com boa indexação pelos grandes mecanismos de busca, tem visitas do mundo inteiro. E estatisticamente se 1% dos visitantes efetuar uma compra, e você tem 100.000 visitas diariamente, você já imagina o lucro dessa jogada, não é mesmo?

Enfim, quando o Mercado livre, trouxe a técnica de referenciamento por xml, teve início a incorporação da tecnologia spammica por alguns webmasters brasileiro. De forma análoga ao que acontecia ao Amazon em torno do ano de 99, teve início os thin affiliates brasileiros. O fórum do mercado livre, na parte de afiliados, tem uma prévia da infinidade de webmasters que criaram suas lojinhas para abrigar as galerias de produtos do mercado livre.

O Google e os outros importantes mecanismos de busca, não toleram esse tipo de prática por entender que são atividades predatórias. Então, se você, a partir do explanado nesse texto, se vê como um "afiliado magro", talvez você tenha encontrado a resposta do por quê suas visitas não atingem a quantidade que atingia no passado.

Nos próximos posts, vou apresentar alguns estudos de caso sobre os Thin affiliates, para reforçar o entendimento sobre esse tema.

Abraços e espero comentários tanto sobre o tema, quanto de incentivo à continuação do blog.


9 comentários:

Anônimo disse...

Discordo parcialmente de seu ponto de vista - não vejo problema num site cujo único objetivo seja a venda de produtos através de programas de afiliados. Há até algumas empresas sérias que atuam vendendo revistas de diversas editoras, recebendo uma comissão sobre cada venda - nada mais que um programa de afiliados. E seus sites só apresentam as revistas e os links para compra, não acrescentam nada ao usuário.

Quanto a abarrotar o site de keywords - isso sim é spam. Há diversas formas de divulgar uma "lojinha virtual" dessas sem que se faça necessário apelar para técnicas "blackhat".

Blogger disse...

Muitíssimo obrigado pelo seu comentário. Ele realmente foi muito importante e relevante ao tema.

Agora permita-me fazer umas considerações:

Provavelmente, você tem uma lojinha dessas não é verdade?

Então, no caso, o que eu mostrei é a concepção e a visão que o Google e outros mecanismos de busca têm das lojinhas virtuais desse estilo. Se é uma empresa séria que atuna apenas em links para compra, sem acrescentar nada para o usuário, os motores de busca interpretam como Thin affiliate.

O texto e a explanação acima se referem a uma perspectiva SEM e SEO, ou seja, não estou falando que esses sites são ruins ou ilegais, estou falando que o Google oferecerá muito pouco em termos de otimização no seu rank orgânico.

Mas essas empresas podem se fazer valer do AdWords para promover seu site.

Enfim, muito obrigado. Ótimo comentário, pena que você não se identificou.

Abraços

Anônimo disse...

Olá,

Agora compreendi seu post. É verdade, sem qualquer conteúdo adicional, os buscadores não terão como dar credibilidade à loja, será difícil indexá-la bem etc. Só não considero tal modelo uma "técnica de spam" mesmo.


No caso, não tenho nenhum site desses, mas trabalho numa editora que possui alguns afiliados assim - e de fato, tais afiliados investem muito no Adwords!

Abraço

Claudya disse...

Simon amigo!!!! Depois de 1 ano nos vemos de novo!!! Me lembrei que nossos blogs começaram quase na mesma época, e vc. foi um dos primeiros a comentar nele. Sobre seu post, interessante. Tem um site de temas americanos que quer que eu faça um review prá eles. Como contiuno 'nerd' nessas coisas, acho eu que será bom prá ambos. O que vc. acha? Vou te linkar no Memories. Bjs. amigo de longa data!

Aragao disse...

Muito boa a postagem... vale a pena conferir =D abraçao ai parceiro!!!

http://www.blogdoaragao.com/

Murilo Nogueira disse...

Caro Simon

Gostaria de sua opinião sobre o efeito dos "thin affiliates" sob a perspectiva inversa: a do anunciante que aparece em suas (deles) páginas.

Se o site www.....com.br paga por um anúncio no Mercado Livre, logo verifica o surgimento de dezenas de links oriundos das "lojinhas".

Pergunto se tais links seriam vistos de forma positiva para um rankeamento no Google (pelo aumento de "popularidade") ou se, ao contrário, seriam considerados, de alguma forma, Black Hat Technique?

Simon disse...

Ótimo comentário!

Vou fazer um post-resposta para essa pergunta.

abraços

Dri Viaro disse...

oi, passei pra conhecer seu blog, e desejar boa semana
bjss

aguardo sua visita :)

Anônimo disse...

Hi A very nice niche blog, and a good design there sparks Simplicity yet complex algorithm of the internet. Thank You.